Smarana

Discussões sobre Memória Organizacional em ambientes de desenvolvimento de Software

Transferência de Conhecimento

Lá vai a primeira provocação… rs.

Parece senso comum a definição de que conhecimento é uma construção individual e subjetiva localizada na mente de uma pessoa.

Considerando os mesmos autores que assim definem conhecimento vejo, por outro lado, discursos direcionados a uma “transferência de conhecimento”. Não seria isso uma contradição? Afinal, a transferência indica um transporte de algo estático, dotado de uma essência com certo grau de rigidez. Em outras palavras, se eu transmito um conhecimento X, o outro interlocutor teria, ao final do diálogo, um conhecimento X adicionado ao seu estoque.

Mas é isso que acontece? Ou, seguindo o senso comum, o que estamos fazendo é promover estímulos, esperando que o sujeito construa um conhecimento que seja de alguma forma semelhante ao nosso, originário da informação – esta, de fato, transmitida – recombinada com suas próprias vivências?

Isso nos remete a uma outra discussão do que seria a informação… assunto controverso e longo. Por enquanto, quero ouvir opiniões – como disse antes, essa é uma provocação, não uma defesa de conceito.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em quinta-feira, abril 2, 2009 por em Gestão do Conhecimento.

O Autor

Twitter

Goodreads

Oath of non-allegiance

Oath of non-allegiance

Oath of non-allegiance

%d blogueiros gostam disto: